Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

SENHOR PADRE HÁ UM POKEMÓN NA SUA HÓSTIA!

Manuel Pereira de Sousa, 18.07.16

Senhor padre há um pokemón no sua hóstia, não a coma até eu o apanhar.

Pokemónmania ou Pokemómania – uma destas palavras pode designar os maníacos que aderiram à caça aos Pokemóns. O dicionário do meu pc ainda assinala estas palavras como erros – não estão no dicionário -, por essa razão, qualquer forma de escrever está correta. Já todos sabem o que isto é. Muitos, bem melhor do que eu. O objetivo é caminhar pelas ruas, pelos campos, pelos rios, pelas zonas históricas e descobrir os bichinhos mais ridículos de tão engraçados que são. Apanhar? Sim. Apontas a câmara do telemóvel e, quando o telefone o detetar, lanças a bola para o apanhar. Ah, esqueci-me, é necessário que esteja instalada a aplicação Pokemón Go para descobrir, com ajuda do GPS, onde andam os ditos bichos, que fazem as maravilhas de miúdos e graúdos. Pelo que aprendi hoje, existem alguns em locais históricos – o que ajuda a chegar ao local e conhecer um pouco da sua história. Descobri, hoje, que se podem chocar Pokemóns – tarefa que obriga a percorrer cinco quilómetros a pé (tem de ser mesmo a pé, não dá para fazer batota de automóvel). Com esta aplicação muita gente que estava enfiada em casa, colada ao sofá, aceitou o desafio de caminhar – os jogadores deixaram a sua vida sedentária e conheceram uma nova modalidade-; há quem o vá depositar num ginásio e depois vá treinar com o amiguinho (adeus personal trainner). Descobri também que permite fazer novos amigos e desbloquear conversas em qualquer lugar, mesmo no meio da rua, assim do nada – duas colegas minhas estavam, no Porto, junto a um edifício conhecido a apanhar moedas (outro dos objetos que se tem de apanhar), em êxtase, quando uns fulanos passam e reparam no que estavam a fazer (demasiado evidente) e num estado eufórico partilham com esses fulanos: “aqui há moedas”. Simplesmente eles riram e continuaram – falta saber se mais tarde voltaram de telefone em punho para descobrir as moedas.

Já para não falar que, durante o fim de semana e hoje, foram detetados Pokemóns ao meu lado – eles andam comigo, sou a fonte de atração. Podia ser um rapaz tímido e, neste momento, estava a sair de meu mundo para descobrir que entre mim e os Pokemóns existe uma atração – eu estou com eles ou melhor: eles estão comigo. Só por esse motivo não instalo a aplicação para os apanhar – não tenho de correr com telefone na mão, eles naturalmente vêm ao meu encontro.

Pelos vistos há mesmo doidos, são imensos doidos. Já ouvi histórias de quem parou a viatura numa rotunda para sair e apanhar um. Episódios de trânsito caótico causado por pessoas que largam os veículos e correm para o sitio onde está o dito bichinho. Existem relatos de crianças que caminharam por ruas escondidas das cidades e encontraram cadáveres de pessoas desaparecidas há anos. Eis a maravilha da realidade aumentada, uma tecnologia tão pouco explorada pelos utilizadores, onde as marcas sempre desejaram chegar, mas não estava a ser fácil. Eis um ponto de partida. Falta perceber até que ponto a humanidade será racional na utilização do jogo. Nem quero imaginar nas proporções a que isto pode chegar e a perversão que pode existir – estou a imaginar um acidente em cadeia na autoestrada porque alguém travou de repente para correr atrás de um pokemón; a tentativa da polícia conter multidões em êxtase porque num dado lugar está um bichinho para juntar à coleção; nos locais de trabalho transformados em antros de seres imaginários; das promessas religiosas se tornarem na caça ao pokemón; das pessoas correrem riscos porque se aventuram e se atiram de um penhasco porque é mais importante um ser da realidade virtual que a própria vida; de alguém estar a ignorar o outro que está em apuros, a precisar de uma ajuda urgente de vida ou de morte.

Já que falo em animais, gostaria de saber o que pensa o PAN (Partido de Animais e Natureza) acerca do assunto – estaremos a violar os direitos dos animais? Fará sentido regulamentar a caça ou simplesmente proibi-la? Estou a imaginar os nossos deputados da Assembleia da Republica na caça de Pokemóns durante as sessões plenárias e nas comissões de inquérito.

Bem, acho melhor não explorar ainda mais o assunto porque sei que a minha mente vai pensar nas coisas mais horrendas e depois serei linchado nas redes sociais. (imaginem as pessoas numa cerimónia fúnebre a caçar pokemóns e a pedir ao coveiro para não tapar a cova porque há um….) Chega…

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.