Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

PAPA PODE RENUNCIAR

Manuel Pereira de Sousa, 19.08.14

Este título lido assim pode causar algum susto para aqueles que têm em Francisco um amigo e um conselheiro. Também eu me assustei com esta revelação. Fiquem descansados aqueles que desejam que Francisco continue no governo da Igreja - ele renunciará no momento em que não tiver mais forças para continuar o seu caminho. Foi um desabafo, uma confissão consciente, um reconhecimento da atitude do seu antecessor. Ainda bem que não está agarrado ao poder pelo poder, mas está naquele lugar com a consciência de uma missão que tem para cumprir delegada por outros e aceite pela maioria dos crentes.

O lugar eterno de Papa não tem de o ser. O lugar será sempre - ou deverá ser - daquele que quer cumprir com a missão original da instituição a que preside, sem que se acomode com a hierarquia instalada.

Será uma decisão difícil de tomar e mesmo de ser aceite pelos outros - o momento em que Francisco pretender resignar. Porém, o caminho para ela será mais fácil porque Bento XVI "abriu a porta" para o que pensávamos ser a exceção, seja o normal e racional. Se assim for, estaremos perante uma mudança na forma como a Igreja se governa e de quem a governa - a par da espiritualidade deve existir lugar à racionalidade. 

3 comentários

  • "Ou seja, religiões, comunicação social, sindicatos e todos aqueles grupos com influência sobre as massas ajudam a cozer o povo em lume brando, quando se dá conta já está". A ideia desses grupos seria o bem comum, o mal não está na sua existência, mas quem os frequenta.

    É perfeitamente normal que vivendo em sociedade as pessoas se constituam em grupos mais ou menos influentes - uma forma de se resolverem problemas de diversa ordem. Mas tudo entra em descrença quando não funciona como deveria - seja religião, política ou outros grupos.

    É complicado remar contra a maré e por isso ficamos de fora.

    Cumprimentos,
    MJS
  • Imagem de perfil

    litlebit 22.08.2014

    Saudações M.J. Sousa

    A ideia dos grupos é por norma o bem comum mas no sentido restrito, porque no sentido lato é apenas necessário criar essa ilusão, de forma a que sejam atingidos os objectivos primeiros.
    O facto de ser complicado remar contra a maré é um problema, em particular quando não há remadores, porque até houve o cuidado de ao longo de anos de evitar subtilmente que emergissem e se consolidassem, lembrar-me eu das movimentações estudantis daquela geração que não queria defender a Pátria e posteriormente e até aos dias de hoje a vem destruindo, que por relativamente pouco e nada a ver com o seu estatuto se acharam no direito de interpretar á sua maneira "democrática" a vida nacional.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.