Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

PAPA PODE RENUNCIAR

Manuel Pereira de Sousa, 19.08.14

Este título lido assim pode causar algum susto para aqueles que têm em Francisco um amigo e um conselheiro. Também eu me assustei com esta revelação. Fiquem descansados aqueles que desejam que Francisco continue no governo da Igreja - ele renunciará no momento em que não tiver mais forças para continuar o seu caminho. Foi um desabafo, uma confissão consciente, um reconhecimento da atitude do seu antecessor. Ainda bem que não está agarrado ao poder pelo poder, mas está naquele lugar com a consciência de uma missão que tem para cumprir delegada por outros e aceite pela maioria dos crentes.

O lugar eterno de Papa não tem de o ser. O lugar será sempre - ou deverá ser - daquele que quer cumprir com a missão original da instituição a que preside, sem que se acomode com a hierarquia instalada.

Será uma decisão difícil de tomar e mesmo de ser aceite pelos outros - o momento em que Francisco pretender resignar. Porém, o caminho para ela será mais fácil porque Bento XVI "abriu a porta" para o que pensávamos ser a exceção, seja o normal e racional. Se assim for, estaremos perante uma mudança na forma como a Igreja se governa e de quem a governa - a par da espiritualidade deve existir lugar à racionalidade. 

5 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Jose Fernandes 21.08.2014

    Sr. José C. M. Velho a minha mente é curta, pois sou crente, mas felizmente que o senhor é um iluminado.
    o Sr. sabe o esforço que este Homem tem feito para tornar a igreja como um instrumento ao serviço dos pobres e desamparados? Sabe quantas instituições de solidariedade a nível mundial são da igreja? Sabe que em Portugal, em muitos casos a Igreja é o último recurso de muitos?
    Não, não sabe. Então leia, estude, aprofunde a sua iluminação e depois diga alguma coisa.
    Entretanto remeta-se à sua condição de extremista, que como se vê, tem levado a enormes progressos...se quiser enumerar...
  • Sem imagem de perfil

    José C. M. Velho 21.08.2014

    Tem razão Sr. José Fernandes, o Sr. tem de facto mente curta e, por comparação, eu serei então um iluminado.
    O Sr. sabe que o facto de se dar esmola não resolve a pobreza nem os desamparados? O facto das igrejas (das várias religiões/seitas) serem solidárias e o último recurso para muitas pessoas, não faz delas a solução mas a mera continuidade e aprofundamento do problema. O Sr. sabe dos resultados obtidos na sociedade pela ação das religiões? Os problemas deixaram de existir? Há quanto tempo existem as religiões? O Sr. sabe que só nas sociedades onde as religiões passaram a ter um papel cada vez menor é que de facto se vive melhor? E, pelo contrário, nas sociedades onde o povo está mais embriagado nas crenças primitivas (desde as cavernas) é onde existem mais problemas?
    Por fim, concordar também que, sim, talvez seja extremista aquele que acredita na Humanidade e na sua infinita sabedoria e capacidade de tudo fazer (como podemos assistir), tal como extremista também será aquele que acredita que é um ser extraterrestre poderoso que tudo sabe e tudo pode fazer, embora nada faça, dizem que com a intenção de nos provar o quão pecadores somos. Caro José Fernandes, quando era criança também acreditava no Pai Natal e noutro seres fantásticos mas agora já não.
  • Sem imagem de perfil

    josé Fernandes 21.08.2014

    Caro Sr. José C. M. Velho, agradeço a sua resposta.
    Em primeiro saliento parte da sua frase "...o último recurso para muitas pessoas, não faz delas a solução mas a mera continuidade e aprofundamento do problema". Ora o que sugere para resolver este problema?
    Esses paises que sugere, felizes, fantásticos, de que forma tem ajudado os outros países e os outros povos que vivem em miséria?
    Sr. José C. M. Velho, só quero que se dê dignidade a todas as pessoas, principalmente as indefesas, independentemente de quem o faz...
    Bem haja

  • Sem imagem de perfil

    José C. M. Velho 22.08.2014

    Caro José Fernandes, estamos de acordo, ambos pretendemos o mesmo «que se dê dignidade a todas as pessoas». No entanto discordamos no método de alcançar tal desiderato. Da minha parte não aceito que sejam aquelas pessoas que detêm interesse, seja pessoal, devido a um altruísmo egoísta de satisfação narcisista, seja um interesse coletivo, relacionado com qualquer ideologia ou crença no que quer que seja, a não ser na verdade e na dúvida científica, ou seja, na Humanidade e no poder individual de cada ser humano, capaz de tudo, até de criar seres fantásticos e extraterrestres, à sua semelhança, para depois afirmar precisamente o contrário, que foram tais seres que o criaram à sua semelhança e detêm domínio no seu destino. Não. O meu destino pertence-me em regime de exclusividade e se o partilho com a sociedade, família, amigos, Estado, é com o meu consentimento.

    Não existe nenhum ser superior, de nenhum tipo, humano ou supra-humano, que detenha domínio e ação sobre o meu destino. No caso hipotético de um dia se demonstrar que estou enganado e afinal se provar que existe de facto um ser que pode dominar o meu destino, ainda assim não o aceitarei como dono e senhor da minha vida.

    É esta a liberdade que quero para mim e para todos os demais; que vivam sem o jugo das ideologias, das crenças e das crendices, admirando ídolos de toda a espécie, sem perceber que eles próprios é que são os seres fantásticos todo-poderosos que devem admirar e enaltecer.

    Em suma, é esta a nossa diferença: uma questão de Liberdade.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.