Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

Era uma vez um país em que os palhaços eram os governantes...

Manuel Pereira de Sousa, 26.05.13

Era uma vez um país em que os palhaços eram os governantes e o povo ria e ria das piadas e trapalhices que cada um desses palhaços fazia em público. Este era um país muito feliz, onde todos viviam numa autêntica palhaçada. Cada lei, cada notícia, cada artigo motivava a gargalhada geral, pois ninguém acreditava em tudo o que acontecia à sua volta. Não existiam desgraças porque estas eram a palhaçada, motivo de riso.

Este país poderia ser Portugal? Poderia, mas não é. Apesar da forma como somos governados ser considerada por grande maioria dos portugueses uma palhaçada, na realidade não o é porque, ao contrário das palhaçadas, esta governação faz-nos chorar e perder a esperança no futuro.

Miguel Sousa Tavares foi forte, ao alegadamente considerar Cavaco Silva como sendo o palhaço. Verbalizou aquilo que muitos portugueses têm na cabeça, mas não o pronunciam. Foi forte e por isso pediu desculpas e reconheceu o seu erro. Há muito moralismo na praça pública; espero que os mesmos moralismos não provenham de pessoas que no seu inconsciente tenha a mesma afirmação que a verbalizada pelo Miguel Sousa Tavares, seja em relação ao Presidente ou a outro político.

Eu prefiro não o condenar, para que um dia não tenha de “comer” estas palavras quando um político, seja ele qual for, tenha o desrespeito de fazer ou dizer algo que eu não goste.

De qualquer das formas, a classe política merece respeito, apesar de a vermos como um fruto podre que deveria ser abatido do nosso pomar; mas, no fundo, quem está a governar foi eleito (ainda que à custa de verdades falsas e promessas impossíveis). 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.