Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

12 ANOS ESCRAVO PODERIA SER UMA HISTÓRIA DOS NOSSOS DIAS.

Manuel Pereira de Sousa, 19.01.14

Há filmes que nos marcam ou nos deixam a pensar sobre a forma como os humanos se tratam e a necessidade de serem seres superiores, mesmo entre si – fazendo da raça uma forma de seleção.  “12 Anos Escravo” – que acabo de ver há momentos no cinema – é uma história verídica, do século XIX, nos EUA, de um homem negro, com família, que perde a sua liberdade e é transformado num escravo. No decorrer da história são recorrentes as agressões físicas e morais dos brancos sobre os negros, com cenas de dor e sofrimento cru, sem que se tenham poupado nas imagens terríveis – os atos de violência e as marcar que ficam.

É incrível como a raça humana se pretende distinguir e procure encontrar na moral fundamentos para isso. Neste filme é bem patente a interpretação que o branco faz das Escrituras, como se Elas ditassem a lei que os favorece em relação aos negros e como extinguem Deus do que é sua propriedade – os escravos – e sejam estes os responsáveis pelo que de bom ou mau acontece ao mundo.

A escravatura existe desde os primórdios da História, esteve na base de muitas civilizações e impérios – o império português também marca aqui a sua presença com o tráfico de seres humanos, desde a altura dos descobrimentos até à entrega das suas colónias.

Felizmente que o mundo mudou e hoje vivemos em tempos de liberdade – ainda que a igualdade esteja aquém do desejado -, pelo menos nas nossas sociedades, pois sabemos que a escravatura ainda não foi erradicada em diversos lugares do mundo. Sabemos que em terras de África, em países da Ásia e não só, a escravatura continua como se estivéssemos parados no tempo; são homens e mulheres que trabalham sem quaisquer condições laborais ou sem qualquer proteção social e de saúde, para além dos salários miseráveis que auferem. São aos milhares. Todos, nós os do mundo dito evoluído, bem sabemos, embora assobiemos para o lado como se fosse um problema que a nós não nos interessa. Sabemos bem que os escravos de hoje são aqueles que produzem e alimentam o consumo de outros, que buscam produtos em quantidade e de baixo custo. Apenas se fala desta gente quando um prédio cai e lá dentro morrem centenas de trabalhadores que confecionam roupa para grandes cadeias de distribuição.

Há uns meses atrás, vi uma reportagem na SIC Notícias sobre a escravatura em África, nas culturas do cacau para as grandes marcas mundiais de chocolate. Não sabia eu, e muita gente não sabe, que comemos chocolate fabricado por algumas marcas que “pagam” a escravatura em países onde as crianças não sabem o que é ir à escola e que são deliciadas com agressões físicas.

 

“12 Anos Escravo” é um bom filme, daqueles que apesar de retratar outra época nos deve apelar à consciência: a liberdade é algo muito valioso que todas as sociedades devem preservar; e não podemos esquecer que este drama ainda existe e nós indiretamente pactuamos com ele, pois ignoramos uma escravatura que está bem presente e convive com o consumismo dos nossos tempos.

E tu, és livre ou serás também escravo, escravo do tempo?

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.