Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

BLOGUE DO MANEL

A vida tem muito para contar e partilhar com os demais. Esta é a minha rede social para partilhar histórias, momentos e pensamentos, a horas ou fora de horas, com e sem pés nem cabeça. Blogue de Manuel Pereira de Sousa

A MINHA PÁSCOA, A NOSSA PÁSCOA

Manuel Pereira de Sousa, 12.04.20

Pela primeira vez na vida a minha Páscoa será bem diferente. O isolamento que me compete respeitar dita o afastamento da família. Creio que muitos estejam a passar pelo mesmo sentimento. São as consequências da pandemia, que nos impede do que é mais importante para grande maioria de nós: a família.
O recurso aos meios tecnológicos permitem diminuir esse afastamento a que somos obrigados; permitem ouvir a voz, por vezes, ver, mas ainda assim a insuficiência de sentir a presença, o afeto.
A Páscoa por tradição é uma festa de união com a família, de união dos amigos, independentemente da importância religiosa que possamos atribuir, é uma época de encontro. Este ano terá de ser algo mais pacato e contido, terá de ser essencialmente interior.
São dias que passam rápido, em que numa situação normal voltaríamos à rotina, mas nos tempos que correm a Páscoa passa e as nossas vidas mantêm-se na incerteza; não sabemos o que nos espera as próximas semanas, o que decidirá o Governo, como se organizará o nosso mundo. A vida depois da Páscoa será diferente, será uma ressurreição para algo novo ainda sem certeza de ser bom porque a perspetiva é de algo bastante negro, improvável e indefinido no tempo.
Aquilo que posso concluir é que nada será como antes, nem pode ser.

A TELESCOLA E O REGRESSO AO PASSADO

Manuel Pereira de Sousa, 10.04.20

Voltaremos a ter um ensino e uma educação as velocidades diferentes e voltaremos a criar a ideia nestas crianças e jovens que no mundo é tudo uma questão de sorte, onde as oportunidades são para os que estão mais adaptados e com a sorte de terem mais recursos. Chegados a esta ideia, vale a pena meditar na responsabilidade do Estado.

 

Quando, em junho de 2015, escrevi um texto neste blogue com o título “Quem Se Lembra da Telescola”, estava longe de imaginar que, algum dia, esta forma de ensino pudesse ser equacionada novamente, ainda para mais em 2020, com o avanço tecnológico em que vivemos. Uma forma de ensino tão distante das realidades de hoje, que julguei ser uma memória pela qual eu e muitos portugueses passaram - muitos outros nunca souberam o que era -, num tempo em que o país necessitava de expandir o acesso ao ensino para todos os portugueses, como forma de contrariar o atraso da educação causado por uma ditadura longa. Sem dúvida uma memória, que será utilizada novamente, em 2020, na RTP Memória (vejam só o caricato).
Claro que esta é uma medida provisória, que tenta a todo o custo recuperar e continuar o ano letivo que foi interrompido pelo encerramento de parte do país, motivado pela COVID-19, a pandemia da nova década. Tal como em outros tempos a telescola era a forma de chegar a massas da população sem acesso a outras formas de ensino, também hoje está a ser utilizada para chegar aos que não têm outras formas de aprendizagem; alunos que não têm recurso a um computador e a uma ligação à internet, para estar em permanente ligação com os seus professores e colegas. Chegados a este ponto percebemos que, em 2020, no século XXI, muitos portugueses não têm acesso aos meios tecnológicos que lhes permite estar ligados a qualquer parte do mundo, enquanto estão isolados em suas casas. Pensar que só os idosos, com pouca escolaridade e até de meios mais rurais é que não teriam acesso à tecnologia é desconhecer a realidade que ainda existe pelo nosso país e que, nestes tempos, se torna visível e surpreendente. Apesar de existir a noção desta realidade, acredito que não esteja contabilizada; acredito que não se sabe ao certo quantos terão como único recurso a nova telescola, além do mais, num número de anos escolares que é bem mais alargado em relação à velha telescola - no meu tempo, a telescola abrangia o quinto e sexto ano, agora, será transversal a todo o ensino básico (pelo que percebi das notícias).
Para os alunos e professores, o encerramento das escolas obrigou a uma readaptação da forma de ensino num tempo extraordinariamente curto (mas, acredito com sucesso), possibilitando a interação professor e aluno através de novas plataformas, que podem ter os seus benefícios. Porém, esta nova alteração de realidade momentânea tem as consequências, que obrigam a outras rotinas e a uma gestão familiar totalmente diferente da que conhecíamos até aqui. Se esta adaptação tem consequências na aprendizagem, maiores serão as consequências dos que não têm as mesmas ferramentas tecnológicas e que vão depender da televisão para avançar nos seus estudos. Voltaremos a ter um ensino e uma educação as velocidades diferentes e voltaremos a criar a ideia nestas crianças e jovens que no mundo é tudo uma questão de sorte, onde as oportunidades são para os que estão mais adaptados e com a sorte de terem mais recursos. Chegados a esta ideia, vale a pena meditar na responsabilidade do Estado; se desejamos um Estado mais social que tenta dar igualdade de oportunidades ou de um Estado que pensa em meras alternativas como forma de se desresponsabilizar da sorte de cada um. Longe de querer considerar que existem os coitadinhos e os sortudos, mas no que é básico à Humanidade, como é a Educação, o Estado tem de contribuir para o equilíbrio.
Se esta pandemia mudou o mundo, alterou também a forma como o ensino será de agora em diante; por essa razão, há que pensar seriamente numa forma tecnológica e universal para que a Educação seja um direito de todos por igual. A Telescola é um desenrasque e não uma solução produtiva - na minha ideia, que passei por esta experiência durante dois anos. Eu não tinha o mesmo nível de conhecimento que os meus colegas que andaram no liceu.

OS CASOS RECAMBOLESCOS DA HSITÓRIA DE PORTUGAL

Manuel Pereira de Sousa, 20.11.19

Na passagem das horas, há tempo para ler na @revista_visao a reportagem com os casos recambolescos da História de Portugal. Somos o que somos porque em tempos remotos destes 800 anos que conta Portugal, os nossos reis, rainhas e governantes decidiram o rumo do país através dos casos sexuais, mais ou menos escandalosos à época. Foi entre casamentos e traições, entre filhos e bastardos, que a História se foi construindo ao longo dos tempos. Herdeiros que somos destas histórias, de tragédia ou comédia, foi o melhor para o país? Seria melhor que o rumo fosse outro? Tivemos sorte entre todos os males que se passaram naqueles casamentos e relações casuais? Seria assim o futuro do país? Não poderia ser de outra forma e não seríamos o mesmo que cada um de nós é hoje? O tempo é relativo, mas 800 anos de história deu espaço para tanta coisa tramada. O livro para estes pensamentos: História Libidinosa de Portugal, de Joaquim Vieira.

 

“MP não fez nada. Mulher morreu 37 dias depois de ter apresentado queixa”

Manuel Pereira de Sousa, 25.01.18

“MP não fez nada. Mulher morreu 37 dias depois de ter apresentado queixa” é o título do público. Ler na íntegra a notícia é um choque. Como é possível que tudo continue na mesma apesar de existir legislação. Como pode tudo continuar na mesma quando a violência sobre mulheres é uma constante e os números são arrepiantes. Como pode a justiça assobiar para o lado e deixar as vítimas indefesas. Tanta polémica sobre as notas de um processo judicial com referência à Bíblia e a um machismo que atenua uma condenação e ainda continuamos a assistir a casos destes por incúria da justiça. Sofre a justiça de maus tratos. Quem pode numa situação como esta garantir a proteção da vítima. Quem pode acabar com a burocracia processual para que as vítimas estejam em primeiro lugar. Qual a sensibilidade de quem analisa, julga perante um caso destes. A sociedade tem obviamente as suas culpas. Sabe. Ouve. Fala. Cala. Não faz queixa. Não chama a autoridade. Todos sabem. Sempre souberam. Encobrem com é um bom rapaz, trabalhador. Foi o caso. O assassino entrou no café e disse que matou a mulher e ninguém acreditou. Como podem as vítimas acreditar na justiça sem sofrerem consequências piores.

ADMIRADOS COM A SUPERNANNY?

Manuel Pereira de Sousa, 24.01.18

Supernanny. A dita senhora ou o dito programa que anda nas bocas da polémica. Era isto que a SIC estava à espera. O seu risco foi bem calculado. Reparem como as audiências dispararam do primeiro para o segundo programa. As audiências justificam os riscos a que a estação está sujeita. Os programas são criados para ter audiências, para criar opinião nos espetadores. A SIC sabia no que se estava “a meter”, tendo em conta os resultados deste formato noutros países; deve ter solicitado parecer junto da sua área jurídica. Os pais serão os culpados de toda a polémica? Afinal foi destes que partiu a decisão de exporem a vida da criança ao público televisivo e receberem aconselhamento, para saberem lidar com os seus filhos. Aceitaram a exposição e agora têm de assumir responsabilidades. Deveriam ter pensado na autorização que cederam em troca de uma ajuda, que pode ser encontrada sem recurso à exposição televisiva. Todos sabem que a televisão expõe, não serve para mais nada que exposição de casos e notícias. Dúvidas sobre isso? Onde estão os culpados da polémica?

ADEUS PAPA FRANCISCO!

Manuel Pereira de Sousa, 13.05.17

Francisco está de partida. Foi uma visita calorosa e única. Terá sido uma das mais fortes experiências espirituais da sua vida - com toda a certeza. Afirmo com esta certeza porque o seu rosto é muito transparente e permite a qualquer um perceber o que está a sentir no momento - vejo a forma terna e comovida com que acenou o lenço no adeus ao andor da virgem. Nesta viagem fica a sua entrega e veneração mariana, muito voltada para as fragilidades do nosso mundo, que são as fragilidades de todos nós. As imagens falam por si. O sorriso. A proximidade. A concentração no momento da oração. O despejo do terreno. A cumplicidade com cada um e com todos. Por tudo isto, Francisco é um líder carismático - vem de si, não terá aprendido em livros de teóricos. Independentemente da crença religiosa de cada um, quem foi a Fátima ou quem simplesmente tenha acompanhado ao longe a sua visita, não terá ficado indiferente. Ainda bem que não há indiferença - dela está o mundo cheio.

ESTE PAPA NÃO É DE TODOS!

Manuel Pereira de Sousa, 12.05.17

A esta hora o Papa Francisco - o peregrino - já chegou à Base de Monte Real, para uma curta visita a Portugal, neste centenário das aparições de Fátima. No país não se fala noutra coisa. Há claramente razões para isso. Porquê? Francisco não é um Papa qualquer. É acima de tudo um homem que nunca deixou de pertencer ao povo e que gosta de estar com o povo – um Papa de afetos.
Afetos é aquilo que as pessoas mais precisam neste mundo atual. As pessoas – crentes e não crentes – desejam ouvir falar de afeto, amor, paz, concórdia, respeito e fé; as pessoas não querem que lhes falem em grandes verdades teológicas e outras coisas complexas que não entendem e que não têm qualquer sentido prático para as suas vidas – as pessoas precisam de algo emocional e adequado às suas vidas. Francisco tem essa capacidade – falar para os humildes e ser entendido. Nestes tempos, as verdades teológicas escritas merecem o seu debate, a sua reflexão; no entanto, as pessoas precisam muito mais de “verdades” sociais, humanistas para cumprir nas suas 24h do dia. Afinal, o sentido da religião é a ligação do transcendente com o quotidiano das pessoas. Cada coisa em seu lugar. Quem vai a Fátima não vai à procura de grandes verdades da fé – caso contrário não ia -, mas vai à procura de proteção para si, para a família, vai na busca de encontrar a solução para os problemas com que se confronta no dia-a-dia ou até mesmo em simples agradecimento. Quem vai a Fátima procura reconhecimento e um lugar no seio de uma Mãe, que acreditam estar lá para acolher todos os seus filhos; não procura perceber em que escala hierárquica Ela deve ser colocada na Teologia e qual o tipo de veneração se deve fazer.
Francisco percebe que a Igreja tem de falar da Terra, dos vivos, daqueles que são explorados e calcados pelos poderes – os verdadeiros demónios do nosso tempo. Os crentes ouvem-no, compreendem-no e por isso correm atrás de si. A Instituição – excluído aquela que trabalha na obra social – fala do céu, do pecado quando as realidades da vida terrena são duras.
Este é o Papa do povo – ele sorri apenas quando está entre o povo - e não das tristes elites que habitam no interior das paredes dos templos majestosos.


“Ai que riquinho” dizem as pessoas ao meu lado, que acompanham pela televisão cada passo. As pessoas precisam de amor, que é tão imenso, mas infelizmente escasso.

MENTIRA É UM PONTO DE VISTA?

Manuel Pereira de Sousa, 25.02.17

Mentira. Sei bem que vivo rodeado de mentiras – coisas da vida. Todos vivem rodeados de mentira. Estou habituado à mentira. Creio que todos estão habituados. É uma questão de sobrevivência. Mas, é triste se eu e qualquer um se habitua à mentira – cria-se e permite-se um mundo pior é mais promíscuo. É um mundo promíscuo aquele onde vivo. Notícias falsas, acontecimentos que nunca o foram, líderes que governam sobre a mentira para o bem próprio, empresas que vendem mentiras em vez de produtos, filosofias que pregam uma verdade sem nexo. Poderia continuar a lista de tudo o que me envolve e que está envolvido em mentira. Mas, para muitos poderei estar a ser incorreto. Porquê? Porque mentira para mim pode ser uma verdade para o outro – é a consequência da lei do relativismo. Tudo é relativo, até os grandes valores. Assim, a mentira tornou-se numa perspetiva ou ponto de vista que alguém tem sobre algo. O resultado de tudo isto são os constantes recuos da Humanidade.

EUTANÁSIA, DE QUE LADO?

Manuel Pereira de Sousa, 02.02.17

 

Caros deputados da Assembleia da República,

 

Sabemos que o debate sobre a eutanásia está lançado. Será um debate duro, sensível. Está em discussão o mais importante: a vida; ou o fim dela. O que eu desejo é que seja uma discussão com respeito, com calma, fundamentada e longe de qualquer rivalidade política - a rivalidade política não é boa conselheira para a decisão do que fazer pela vida. Será importante seja um assunto que permita a clarificação das consciências, para que as tomadas de decisão seja nesse estado de consciência. Não tenho ainda uma posição tomada sobre o assunto porque vejo argumentos e perigos de ambos os lados, aos quais se recomenda cuidado. Senhores deputados, adoraria maturidade na discussão para que todos se sintam incluídos. Não haverá necessidade de referendo porque acredito que a representação que temos no parlamento será suficiente, independentemente de ter sido um assunto que não esteja nos programas eleitorais. É importante ter presente o sentimento de muitos anónimos que, neste momento, sofrem por padecerem de um mal ou porque a vida lhes causa sofrimento agressivo. É relevante perceber se qualquer pessoa pode, de livre vontade, pedir que alguém ponha fim à sua vida em condições dignas e com outro sentido moral.

OS BENFIQUISTAS SURPREENDEM!!!

Manuel Pereira de Sousa, 31.01.17

Caros adeptos benfiquistas,

Fiquei admirado com o que aconteceu a noite passada - era desnecessário. A receção dos jogadores, em Lisboa, depois da derrota do jogo com o V. de Setúbal - derrota por um golo - pareceu mais um ataque a uma equipa adversária do que à equipa que defendem. Petardos? Violência? Porquê esta fúria? Como desejam que a vossa equipa mude de atitude com este confronto? Como querem que uma equipa tenha resultados positivos se não lhe passam qualquer otimismo e confiança? Qual a razão para uma revolta, quando ainda estão a dominar o campeonato, quando sofreram duas derrotas?
Custa-me a perceber a vossa violência e a perda desnecessária de energias para estas atitudes. Perdoem-me a ignorância na estratégia futebolística, mas a violência é algo que se pode evitar para o bem de todos e não faz mudar resultados e atitudes futuras.