Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O QUE SERIA DO HOMEM SEM SEXO?

por Manuel Joaquim Sousa, em 26.09.12

Uma questão bem pertinente, que certamente poucos ousaram pensar ou nem sequer põem essa hipótese por tão terrível ou mesmo absurda que possa parecer. 

Dizem que viver sem sexo, em total abstinência, é possível porque este não é uma necessidade para a vida como a água ou a alimentação. Porém, não seria a mesma coisa. Sexo é das coisas, dos actos mais velhos do mundo, presente na generalidade do Reino Animal. A multiplicação e continuidade da vida das espécies estariam seriamente comprometidas se de um momento para o outro o sexo deixasse de existir. 

O sexo é acima de tudo um acto animal e fisiológico, mas que, pelo menos no ser humano pode ser muito mais que um acto fisiológico, mas uma manifestação de prazer, desejo, amor, sensualidade e muito mais. 
Apesar de alguns animais terem relações apenas como objecto de procriação, não temos bem a certeza ou pelo menos não existem estudos suficientes que nos garantam que estes também buscam sexo para obter satisfação. Mal de nós se apenas procurássemos o sexo apenas para procriação. Não sei, mas viveríamos um caos psicológico e patológico ou então habituávamo-nos à ideia (será que muitos se habituariam?). 

O sexo muito mais que um acto físico é também um exercício de libertação e satisfação a vários níveis, que pode contribuir para o funcionamento e equilíbrio emocional e psicológico das pessoas, assim como, a melhoraria do bem-estar e do dia-a-dia de cada um. É também uma demonstração de amor e intimidade por alguém e uma forma de selar uma aproximação entre elementos do acto sexual. De forma homo ou hetero, todos procuram algo e isso faz do sexo uma contribuição para a busca da essência mais íntima de cada um, a essência que se encontra mais escondida e talvez mais real de cada ser humano. 
É claro que muitos encontram no sexo uma emancipação social. Mostrar aos amigos e às amigas que «comeram» aquele ou aquela ou mesmo a procura de satisfação quando o outro alguém já não é capaz de satisfazer ou transmitir aquilo que se deseja. 

Sexo pode ser para muitos um negócio onde se compra e vende, sendo o corpo um objecto de trabalho para que se consiga seduzir o outro e provocar-lhe prazer. É um negócio onde se vendem milhões, mas de forma mais escondida e pouco falada. Quanto contribuiria a industria do sexo no PIB do nosso país se tudo fosse feito às claras e na legalidade? Não haveria certamente défices orçamentais. 

Não se pode pensar no Homem sem a sua componente sexual ou então resumiríamos muito da sua essência como pessoa. 
Por muito que se diga que o sexo é um fruto proibido e apesar de durante muito tempo se ter doutrinado o sexo como um pecado, o certo é que, se assim fosse, a grande maioria viveria em pecado irremediavelmente e os filhos fossem fruto desse pecado e os mal amados do mundo.

É tempo de abolir esses preconceitos e ignorar que a maioria não se delicia com uma relação porque já ninguém acredita que as cegonhas trazem os bebés ou que estes têm origem num feijãozinho. Já nem as crianças acreditam nessa teoria. 
O sexo é dos actos que melhor faz ao Homem e o ajuda a ser Homem no dia-a-dia, enquanto tiver desejo e forma de satisfazer esse desejo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O DIÁOLOGO DO HOMEM COM O SEU PÉNIS PELA MANHÃ

por Manuel Joaquim Sousa, em 21.09.12

- Bom dia! Está tudo bem aí por baixo?
- Como todas as manhãs. Nada de diferente. E tu estás bem?
- Mais ou menos. Para ser sincero não estou muito bem.
- Dói-te a cabeça?
- Não, isso é com as mulheres em períodos específicos do mês.
- Ah! Não me lembres disso porque eu não gosto muito daquilo que as mulheres têm todos os meses. Mas, então o que tens?
- O mesmo incómodo de sempre, de todas as manhãs.
- O quê?
- Já falamos sobre isto em várias fazes da minha vida.
- Ah!!! Não estava a atingir. Estás a queixar-te por eu estar firme e hirto todas as manhãs.
- Nem mais.
- Não vejo qual é o incómodo; até te devias sentir satisfeito com o símbolo da virilidade masculina.
- Pois… é muito bonito para eu fazer ver a elas. Não é muito agradável de manhã quando quero dar a minha mijinha. Sabes bem que o teu tesão não é propriamente erótico, é mais fisiológico. Percebes?
- Claro que sim. Desculpa lá estar a dificultar o teu ato de urinar, mas são fisiologias que eu nem sempre domino. Não trabalho sozinho; essa cabeça aí em cima tem muita influência.
Digo sempre que um pénis sozinho não é tudo, apesar de muito homens pensarem isso (pensam sempre com a cabeça de baixo). Por detrás da minha beleza e do meu admirável físico, há toda uma psicologia que é preciso entender e que para as mulheres funciona de uma forma diferente.
- Essa agora! Estás a querer dizer que és um sabichão e doutorado em matéria de encantamento como as flautas que encantam as serpentes.
- Pois, se eu não fosse sabichão não provocavas as delícias nelas. Se não fosse eu o que seria de ti? Não comias.
- Está bem, está bem. Tens razão. Mas não abuses. Afinal não te trato assim tão mal.
- Por acaso não. Bem… tirando as vezes em que me escravizas e eu tenho de trabalhar em dose dupla ou tripla, posso dizer que me tratas minimamente bem. TIRANDO AS VEZES, COMO AGORA, EM QUE ME TORCES O PESCOÇO PARA MIJAR, até me estarias a tratar bem.
- Eu sei que não gostas, mas tenho de resolver isto. Da próxima mantém-te quieto e ensonado, que assim já posso fazer as minhas necessidades sem ter torcer o pescoço.
Isso, bom menino.

Autoria e outros dados (tags, etc)

(A forma como a questão é colocada é dirigida às mulheres, na esperança que possam responder. Se fosse uma questão genérica, a vírgula não estaria colocada – diferença que faz a vírgula (a grande mulher)).

 

Com o mundo globalizado e consideravelmente consumista, acredita-se que a sociedade portuguesa é muito aproximada à sociedade norte-americana –  ainda que eu acredite que os americanos são o extremo do consumismo (quanto a isto, é apenas uma opinião porque não sou especialista).
Isto para dizer que um estudo norte-americano “Boosting Beautty In A Economic Decline: Mating, Spending and the Lipstick Effect (em português corrente: Realçar a Beleza Durante o Declínio Económico: Namoro, Gostos e Efeito Batom), divulgado no Journal of Personality and Social Psychology –  defende que nos tempos de crise e com o aumento do desemprego as mulheres tendem a provocar o efeito batom, de forma a tornarem-se mais sedutoras, para conquistarem homens economicamente bem-sucedidos e que lhes dê uma situação financeira mais estável. Acreditam esses investigadores que as mulheres, por natureza, já apreciam homens com boa posição social e económica, mas nos tempos de crise apreciam muito mais (mais que os homens que procuram uma mulher).
Este estudo não terá sido feito com meras conclusões de comparações (melhor: em cima do joelho), mas foi baseado em estudos de compras e taxas de desemprego durante os últimos vinte anos.

É facto que as lojas de vestuário, acessórios ou maquilhagem são as mais apetecíveis e concorridas dos centros comerciais (já estive parado numa esplanada de shopping a reparar à minha volta o ambiente – coisa de gajo).

Se este estudo tem alguma credibilidade (?) até acredito que o tenha. Acho que, mais que engatar, nos tempos de grande depressão as mulheres têm a necessidade de se arranjarem melhor como forma de melhorar a autoestima, ainda que isso possa levar à compra de muitas futilidades. Acontece mais com as solteiras? Talvez. O facto de não terem família, aliada à necessidade de saírem de casa para curtir – consequência de maior “liberdade” - tem o efeito batom, para se colocarem mais bonitas e vistosas.
Por muito que a posição social seja importante para a mulher (necessidade de segurança?), o facto é que necessitam (atualmente mais) de estarem bem bonitas, arranjadas e cheirosas para terem alguma sorte no amor ou no engate (chamem o que quiserem). Afinal, haverá homem que se encante por alguém sem o mínimo cuidado pela beleza? Imaginem a nossa cara se vemos uma mulher sem a depilação feita (torcemos o nariz, horror), ou sem o cabelo arranjado, ou com as mãos nojentas e a unhas carcomidas (hui!) e cheirinho a suor (não, chega de visões infernais).
No caso da mulher portuguesa, o tempo em que a sua imagem era de uma mulher grosseira, desproporcional e com bigode já terminou. A mulher evoluiu positivamente para uma imagem bela e mais cuidada (ainda bem para o público masculino).

Numa filosofia mais moralista, o que interessa é a beleza interior –  o conteúdo da embalagem pode ser melhor que a aparência – mas antes de apreciar esse conteúdo interior, a aparência é muito importante ou então ficariam arrumadas para um canto.

Os mesmos investigadores consideram que a preferência por produtos de beleza é sempre pela linha dos mais caros, quando há a possibilidade de escolha com os mais económicos. Esta preferência estará relacionada com a capacidade de efeito dos mais caros. Exceções à parte, o mais caro pode fazer a diferença no tipo de perfume, de creme ou batom (não considero muito atraente quem usa Tabu para se perfumar ou usa um daqueles batons que borrata tudo ao mínimo deslize) e logicamente que, podendo escolher, se opte pelo mais apetecível e mais caro.

O efeito batom está aí e mulher que é mulher, quer haja crise ou não, tem sempre que se pôr bonita e sorridente para sair de casa e não ficar arrumada a um canto à espera do príncipe encantado –  esse, só nas histórias.
Evoluiu-se, claro que sim e mesmo com a idade a mulher tem necessidade de cuidados extra (massagens, tratamentos de pele, ginásio, solário, dieta) para que se mantenha jovem atual e atraente - se quiser merecer a nossa atenção. Se existem exageros, claro que sim; mas não condeno todas as outras que procuram estar de bem consigo e com o objetivo de agradar um público masculino mais exigente. 


Artigo baseado na notícia o Jornal i em: http://www.ionline.pt/mundo/efeito-batom-quando-economia-cai-mulheres-ficam-mais-bonitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

(Hoje tenho andado com a cabeça na lua - culpa dos jornais e de uma amiga.)

Neil Armstrong faleceu ao 82 anos, devido a várias complicações resultantes de intervenções cirúrgicas, para resolver problemas de bloqueios nas artérias coronárias. Morreu assim o primeiro homem a pisar a Lua, integrado com mais três astronautas na missão Apollo 11. Estávamos a 20 de Julho de 1969.


No momento em que Armstrong desceu da Apollo 11 e pisou a Lua disse: «Um pequeno passo para o Homem, um salto gigante para a Humanidade». No planeta Terra, no tempo em que as emissões eram a preto e branco e com qualidade de imagem muito aquém da qualidade, milhões de pessoas ficaram acordadas a acompanhar a emissão especial. Também o Portugal dos tempos da ditadura teve a oportunidade de ver esta maravilha do século através da RTP.

 

Tempos passaram e os nossos pais e avós viveram encantados neste acontecimento (bem, acho que os avós não ficaram convencidos ou não gostaram porque estão sempre a dizer que: desde que o homem foi à Lua e andaram a meter as coisas lá para cima, o tempo nunca mais ficou direito!) e ainda hoje se lembram, com saudade, de quando estiveram frente à televisão do café (porque em casa poucos tinham) colados na emissão. Porém, as gerações mais jovens parecem não estar convencidas e: há quem acredite que tudo não passou de uma invenção.

O homem na lua. Verdade ou ficção?
Eu fico um bocado baralhado com as histórias que se contam e com os argumentos de cada uma das partes. Mas, será que tudo não foi mais que uma invenção teatral?

Digamos que no tempo da Guerra Fria tudo poderia ser possível para que os EUA - Capitalista - e a URSS - Socialista - estivessem um passo à frente do desenvolvimento tecnológico espacial – digamos que uma luta pelo domínio do global, que inicia com a Laica enviada pelos Comunistas.

Teóricos acreditam que aquela imagem da pegada de Armstrong era nada mais que a sua pegada na zona 51, em Las Vegas; assim como, se pensa que tudo terá sido criado num estúdio de televisão com um fundo negro e com ausência de estrelas (ou que brilhavam pouco para um local sem atmosfera); estranho que existam sombras do homem e da bandeira projetadas para lados opostos, por origens de luz de diferentes pontos (mas na lua a única luz seria do sol); mais estranho ver uma bandeira a esvoaçar quando na Lua não há vento; também se pensa que a forma de andar pela superfície lunar não era a correta – era semelhante ao andar na superfície da Terra; além de que, com uns fatos volumosos e com luvas seria muito difícil tirar fotografias como aquelas que nos chegam; impossível que as fotografias, através dos filmes, tenham chegado sem qualquer defeito (impossível por causa da exposição a radiações); estranho, dizem, é o facto da nave ter aterrado sem que tenha aberto qualquer cratera com a pressão dos foguetes usados para a alunagem.
Será que tudo isto é credível? Há quem explique que tudo seria um cenário real na Lua e de que as lacunas têm uma explicação cientifica por testes efetuados na Terra e com a mais alta tecnologia.

Se o domínio do global e difícil era o que Kennedy tanto queria atingir com este projeto, o que trouxe ele de novo para a Humanidade nos anos que se sucederam? Qual a razão para hoje a Lua deixar de ser atrativa em relação a 1969? Porque na realidade nunca aconteceu?

Se na realidade a NASA e os EUA esconderam este embuste, como foi possível, quando neste projeto trabalharam mais de 400 mil pessoas?

 

Será mesmo verdade que os astronautas não embarcaram na Apollo, tendo subido por um lado e descido por outro?


Será que os meios existentes na altura eram suficientes e seguros para a expedição espacial, sendo expostos a radiações extremas e às explosões solares? Acredita-se que não.

Seria possível inventar e construir todas as amostras de rochas, que hoje são objeto de análise e com provas de que não são da superfície terrestre?

Tendo a URSS equipamentos para escutar as missões da Apollo 11, ficariam calados se tudo isto se tratasse de um embuste, em vez de reconhecerem publicamente que os EUA conseguiram realmente estar na vanguarda do avanço espacial?

Acordar as pessoas que acompanharam com atenção a emissão espacial à lua com tais teorias de conspiração é provocar a revolta de uma noite que poderia ser bem dormida. Mas, a emoção que as pessoas conservam do momento e guardam da memória jamais vai acabar com a realização do sonho do Homem em querer conhecer e estudar um mundo fora de portas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 Da página do grande escritor Pedro Chagas Freitas recolhi este texto que decidi partilhar convosco: 


Pedro Chagas Freitas

 

Dizem que os escritores têm ar de totós; que são uns tapadinhos; que vivem na solidão; que são neuróticos e outras coisas mais no se sentido menos positivo. Depois de lerem o texto que retirei do escritor Pedro Chagas, dá para ficar com a ideia do contrário?

Os escritores são homens como os demais? Sim, como humanos, são seres com as mesmas necessidades fisiológicas. Porém, são algo mais superior  porque apreciam o belo e o prazer de uma forma profunda, que conseguem transparecer para as palavras; enquanto dos demais apenas soltam suspiros e gemidos que se ficam só por aí.
Amor, sexo e paixão e toda a fogosidade ardente não pode ficar apenas no momento - ou então esvazia-se - tem de ficar imortalizado em palavras sentidas e profundas. Não se pretende menorizar os sentimentos dos demais, que não conseguem exprimir em belas palavras o fogo que sentiram no momento do prazer; apenas não se pode manter o preconceito dos escritores em relação ao amor (que não tem de ser sofrido) ou ao sexo (que não tem de ser tabu). Todos podem ser capazes de saborear e sentir arduamente os momentos quentes e fugazes do amor e do sexo - mais que meras necessidades fisiológicas do homem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

COGITARE III: A DEPENDÊNCIA DO SONHO

por Manuel Joaquim Sousa, em 11.07.12

Vivemos dos sonhos, com os sonhos crescemos, de sonhos se faz a vida de cada um. Assim espero que cada Homem possa continuar a sua caminhada - na busca dos sonhos, ou melhor, na procura de realização dos sonhos.

O sonho conduz à felicidade que tanto desejamos e ao estimulo para viver, que tanto necessitamos.

 

Somos "sonhodependentes".

 

No dia em que deixarmos de sonhar, estaremos apagados para esta vida e quiçá acordados para uma outra dimensão de plenitude e perfeição, que só a fé leva a acreditar nessa existência.

 

Continua a sonhar para que acredites que estás vivo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

subscrever feeds




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa




Tags

mais tags