Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

RTP COM NOVA ADMINISTRAÇÃO DEIXA-ME TRISTE

por Manuel Joaquim Sousa, em 05.09.12

É com tristeza que tenho conhecimento da escolha da nova administração da RTP. Com que então não me convidaram - depois das sugestões, ideias para relançar o serviço público e depois de uma apaixonada carta de amor à RTP.

Eu estava decidido a manter no ar o "Preço Certo em Euros", com o Fernandinho Mendes; estava disposto a criar programas só para vermos a Catarina Furtado descer as escadas e gritar "Pró palco"; estava disposto a manter o Malato para entreter o nosso público depois do jantar; estava disposto a manter o José Rodrigues do Santos no telejornal, só para piscar o olho no final de cada emissão; estava disposto a manter o João Baião em diversos programas só para animar a malta sempre a saltar; estava disposto a manter a Sílvia Alberto em programas com estúdios grandes só para ver caminhar em minissaia, como no Top Chef.

Pretendia eu a revolução do serviço público, mantendo o que há de bom e tradicional na RTP.

Estou triste...

Público: http://www.publico.pt/Media/a-estreia-de-alberto-da-ponte-no-servico-publico-1562002 

Autoria e outros dados (tags, etc)

SERVIÇO PÚBLICO PORQUÊ E PARA QUÊ?

por Manuel Joaquim Sousa, em 31.08.12

Nos últimos dias temos assistido à defesa do serviço público de televisão - algo positivo, sem dúvida. Porém, esta defesa deixa de existir (ou esmorece) quando deixa de existir polémica. Porquê?

Nas Redes Sociais existem "movimentos" de apoio e defesa de manutenção da RTP2 - talvez com mais pessoas que aquelas que realmente assistem aos programas do canal. Porque será? Eu não vejo, mas defendo que deve existir?

 

Nos tempos "mortos" contesta-se a forma de financiamento e as audiências situadas abaixo de valores expectáveis. Que valores são considerados aceitáveis? Porque só agora se levanta a bandeira da qualidade em detrimento das audiências?

Questões que merecem reflexão, antes da aplicação de qualquer modelo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A BRANCA TELEVISIVA

por Manuel Joaquim Sousa, em 26.08.12

Em tempos que se fala da RTP e da concessão de serviço público, deixo-vos um texto escrito na sequência da polémica sobre as audiências medidas pela nova empresa responsável e que é seriamente criticada pelos Operadores de Televisão.

Terça-feira, 17h25m, alguém pega no comando da televisão e muda de canal. A acção deste alguém multiplicada por 247800 pessoas, que também assistiam ao programa do “Portugal no Coração”, da RTP, deixaram o primeiro canal sem qualquer espectador em antena. Instala-se o pânico na Estação Pública porque todos os espectadores mudaram de canal.
O que aconteceu? Porquê esta mudança? Foi um acto combinado? Uma forma de protesto? Contra a venda do canal? A programação da Estação Pública não está a corresponder às expectativas?

Enquanto o programa continua na sua normalidade, o colapso na sede da RTP provoca correrias nos corredores, entradas e saídas nos gabinetes, telefonemas em tudo quanto é telefone, e-mails para e do Conselho de Administração; tudo gira em torno da branca televisiva.
Para além do pesadelo na RTP, já os outros Meios de Comunicação Social concorrentes, imprensa e rádios noticiam o sucedido; nos sites, Blogosfera e redes sociais são aos milhares os comentários. Em instantes, o país fica em suspenso, mas ninguém, uma alma sequer, premiu o botão do comando do primeiro canal, para ver a emissão que continuou normalmente. 
Fazem-se os primeiros balanços dos prejuízos, 12,9 milhões, um valor provisório, que dependerá das consequências que as marcas dos espaços publicitários desencadearão com este apagão. Está tudo comprometido; o programa que contratou meios e que terá de os pagar; as marcas que contrataram aqueles minutos específicos para publicidade; o canal que não pode avançar para intervalo porque não vai passar os spots publicitários sem espectadores em antena.


A esta hora, o Governo reúne-se de emergência. O canal público que está à venda tem o seu valor comercial em causa e que tenderá a desvalorizar. O Ministro das Finanças está preocupado porque o encaixe da venda do primeiro canal será revisto em baixa no défice. O Primeiro-Ministro faz uma primeira declaração ao país, para estabilizar os ânimos e os mercados. O súbito “apagão” agonia os portugueses, que já pensam nas possíveis medidas extraordinárias que serão tomadas, para compensar as perdas.
Enquanto o Governo continua reunido, o plenário da Assembleia da Republica aquece com a habitual troca de acusações entre a direita e uma esquerda assanhada - no imediato atiram responsabilidades aos grupos económicos interessados no canal em moeda barata.
Nos cafés, as discussões mantêm-se acesas entre os que defendem o serviço público e os que desejam a privatização de um canal em tempo de contenção de despesas; mas nem por isso, ninguém, uma alma sequer, pega no comando para ver a emissão do “Portugal no Coração”.
Os canais de notícias desdobram-se em debates com comentadores de serviço e directos televisivos; os generalistas exploram a tragédia e o horror nos talk shows da tarde.

Apenas num único lugar há silêncio: no Palácio de Belém. O Sr. Presidente Cavaco Silva mantém o silêncio.
Na RTP mantém-se o caos. Normalidade apenas no estúdio. 

São 17h55m, o primeiro canal passa a ser visionado, nesse preciso instante, por 295700 espectadores. O país respirou de alívio.
Pelos vistos a RTP descobriu que se tratou de um erro técnico por parte da empresa responsável pela medição de audiências.


(Este texto trata-se de uma crónica de Manuel Joaquim Sousa. Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa




Tags

mais tags