Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

QUANDO A INDEPENDÊNCIA ESTÁ EM PERIGO.

por Manuel Joaquim Sousa, em 02.12.13

O 1 de Dezembro não foi feriado - já estava previsto -; porém, foi muito lembrado - se calhar mais lembrado do que quando era feriado. Em Portugal, por vezes, as coisas funcionam assim - depois de as perder é que se lembra a importância que têm. Até que o Governo tivesse a terrível ideia de diminuir ao número de feriados pouca importância se deu ao seu significado, quando na realidade estes tinham mesmo muito significado para o país, para a sua cultura e para a sua identidade.

Retirar o 1 de Dezembro, que comemora a Restauração da Independência, em 1640, altura em que deixamos de estar sob o governo dos reis Filipes de Espanha, é o mesmo que dizer que o país perdeu, nos tempos que correm, a independência - verdade seja dita que estamos debaixo do governo e vontade da Europa e do FMI e que a independência para decidir o futuro já era.

Somos um país com fronteiras, mas nem por isso longe de alguns perigos do passado e da História; os tempos de guerra com os nuestros hermanos já lá vão, mas nem por isso estamos livres de nos quererem retirar o que nos pertence e que foi sendo nosso - as ilhas Selvagens. É certo que naquelas ilhas não mora lá ninguém, mas a Espanha está muito interessada em as ter como suas porque sabe que pode assim ter a maior zona exclusiva de costa, para dela tirar proveito económico. Portugal é o país com maior zona económica marítima e não podemos deixar que outros nos tirem o que quer que seja ou então abrimos um precedente para nos tornarmos numa província de Espanha como alguns dos lados de lá da fronteira gostariam que fossemos. Apesar de ser crítico quanto à actuação do nosso Presidente da República, considero que a sua ida às selvagens para lá pernoitar foi mais que uma viagem turística  - foi um sinal claro de que é necessário defender o território de outros países que se querem aproveitar.
Talvez muitos portugueses ainda estejam pouco sensibilizados para esta questão.

 

Precisamos de ter mais sentido patriótico e defesa do que nos pertence e valorizar o que é produzido cá.

Pode ser um texto exagerado da realidade, mas, por vezes, temo que esse exagero existe na prática e nós lembramos a nacionalidade e o hino apenas nos estádios de futebol. Não gosto dos que dizem que Portugal não presta e não vale nada. Portugal é grande em muitos sentidos, necessitamos é de ser mais patriotas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

JÁ NÃO HÁ INDEPENDÊNCIA PARA COMEMORAR A RESTAURAÇÃO

por Manuel Joaquim Sousa, em 01.12.12

A terminar um dia de feriado – 1 de Dezembro – o último em que se comemora a Restauração da Independência – que ocorreu a 1 de Dezembro de 1640.
 

Restauração da independência? Sim, conta a História que, em tempos idos, vivíamos sob a dinastia Filipina – Filipe I (II em Espanha), Filipe II e Filipe III – que colocou em causa a soberania da nação.
Porque caímos nesta situação delicada? O Rei D. Sebastião, como todos sabem, desapareceu em terras de África (não se soube do seu paradeiro) sem deixar qualquer descendente (ainda era muito novo).

Assim está explicada a razão para que o dia de hoje seja declarado feriado e muito importante – ou não estivessem os portugueses contra o Governo por o ter eliminado. Eu concordo com o Governo. Sim, para quê sermos saudosistas e desejarmos um feriado que comemora a independência que já não existe? Não somos independentes, mas dependentes de ajuda exterior – pedida por certos governantes – que, para além de trazer umas tranches, corta e risca no que deve ser feito no nosso país - trata-se de uma espécie de governo tripartido.

Eu já andava desconfiado que a independência era condição do passado. A certeza confirmou-se quando o Presidente da Republica hasteou a bandeira nacional ao contrário, no dia 5 de Outubro, como que um pedido de socorro denunciando oficialmente a perda de soberania. Afinal, a Republica já não existe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

ADEUS 1 DE DEZEMBRO

por Manuel Joaquim Sousa, em 02.12.11

Por: Manuel de Sousa


 


Assim acabou… Foi ontem o último dia em que se comemorou a Restauração da Independência de 1640. O 1 de Dezembro deixará de ser feriado nacional – segundo a vontade do governo - a bem da nossa economia para recuperarmos da crise. Dizem que não faz sentido parar a meio da semana para um feriado sem importância, num país em que existem feriados a mais - entre religiosos e civis. Será que existem assim tantos feriados? Será que somos um país que arranjamos motivos para não trabalhar? Será que o 1 de Dezembro não faz qualquer sentido no calendário de feriados?

Os feriados não são assim tantos para o número de dias do ano em que trabalhamos. Não é pela abolição de dois que o país vai ter mais produção e que a economia vai dar um salto desejado. Se bem que os feriados, sobretudo os que calham numa Sexta ou numa Segunda permitem a dinamização da economia porque muitos aproveitam para sair das suas rotinas para outras paragens. O comércio, turismo teriam a ganhar com estes feriados, pois é destes que muitos empregos ainda subsistem em Portugal como bolhas de ar para mais uns trocos na facturação.

Os portugueses ainda são povo que trabalha, desde que organizados e incentivados – compare-se com a qualidade de produção e serviços que existe em Portugal; compare-se com a boa imagem que existe dos emigrantes portugueses. Certamente que o aumento da produtividade se resolve com outros métodos e não com o corte de dois dias a meio da semana num ano de trabalho.


Quanto à importância do 1 de Dezembro, para muitos deve ser relativa, pois nem todos os portugueses sabem o que representa este dia, apenas sabem que é um dia de pausa. O dia da restauração da independência por graça é retirado por não ter importância – afinal a nossa soberania já não existe porque agora pertencemos à Troika e dependemos das decisões dos senhores da Europa. Ficaremos à espera do dia em que novamente recuperaremos a nossa soberania e aí estaremos em condições de criar um novo feriado nacional, que certamente deverá fazer mais sentido para os portugueses - 1640 já lá vai há muito tempo.

Curioso também lembrar que em 1640, altura em que se dá a restauração, Portugal era uma província de Espanha (sob os desígnios da Dinastia Filipina) e vivia numa crise económica que nem os negócios dos descobrimentos estavam ajudar, ou melhor que estavam arruinados com os impostos que éramos obrigados a pagar para manter o império Espanhol. Hoje estamos numa situação semelhante – a História é feita de ciclos – e necessitamos de uma nova restauração para recuperar a soberania que os nossos políticos entregaram em troca de uns fundos.

Enfim… Por muitos votos de protesto que surjam a vontade será inevitável. Adeus 1 de Dezembro.


manuelsous@sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)


Posts mais comentados


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa




Tags

mais tags