Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


EU TAMBÉM ME TORNEI CHARLIE E TU?

por Manuel Joaquim Sousa, em 09.01.15

 

A imagem de fundo negro com inscrição “Je suis Charlie” tornou-se, nestes dias, numa das mais partilhadas do mundo através das redes sociais, como manifestação de solidariedade e pesar pelos acontecimentos em França - atentado as instalações do semanário satírico Charlie Hebdo, onde morreram doze pessoas entre funcionários, polícias e corpo redatorial do jornal.

 

Como qualquer atentado, foi horrível. Rápido, bem-sucedido, praticado por jovens com uma preparação fora do normal (embora pouca preparação mental). Foi horrível pelas vidas que se perderam. Foi horrível pelo ataque aos valores mais importantes de França - a liberdade de expressão.

Neste momento crítico, confirmamos que a liberdade de expressão tem um preço muito elevado e serve também para termos consciência disso mesmo. Por vezes, podemos cometer o erro de achar que a liberdade é um direito adquirido. Na realidade, não é um direito porque em todos os países onde se lutou por essa liberdade existiram custos elevados para muitas vidas.

 

A cultura ocidental é muito diferente de outras paragens, de outros países ou povos que vivem em repressão, e o contraste com países de maior liberdade leva à existência de quem festeje estes acontecimentos como uma grande vitória – embora a maior parte do mundo tenha condenado. Só quem vive em França é que consegue perceber a diferença entre o satírico Charlie e a tolerância do povo em aceitar de forma aberta todas as críticas, independentemente dos assuntos e temas que esta toca. Cartoons, sátiras são formas de expressão em relação aos nossos costumes, religiões, política ou sociedade. É saudável convivermos bem com a crítica. É saudável o respeito pela opinião do outro, seja em contexto sério ou satírico. O humor é mesmo assim - ninguém ri do bem, mas do mal do outro e do ridículo a que a espécie humana foi condenada. Brincar com Deus não tem mal algum porque imagem dessas caricaturas ou cartoons é aquela que outros homens, pelos seus atos, fazem passar sem que tenham consciência disso. Se Maomé tem um turbante foi porque a atitude de alguns e os seus atos fizeram outros criar essa imagem. O humor como qualquer forma expressão e arte merece o seu respeito ou a ignorância daqueles que não gostam e não se reveem - nada justifica atentado dia 7 de janeiro.

 

A melhor reação que podemos ter a este ataque é usar como armas: o papel, a caneta, o lápis e todo material de transmissão de opinião que nos vai no pensamento para algum suporte como forma de transmissão e divulgação. Usar estas armas implica coragem, mas são as armas mais fortes. A forma como uma caneta fere é mais profunda, duradoura e imortalizada em tantas almas, que uma arma convencional não consegue matar.

 

Podem aqueles três terroristas vingarem ou achar que vingaram Alá ou Maomé. Na realidade, não foram vingados, mas despertaram nos cidadãos de todo o mundo uma revolta bem pior. Poderão suscitar outros sentimentos mais dolorosos em relação a pessoas, culturas, sem que tenham culpa disso mesmo.

Charlie Hebdo não foi silenciado, mas tornou-se mais forte entre a dor da perda de preciosos elementos. Hoje há muitos mais. Hoje muitos de nós tornaram-se Charlie.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


17 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.01.2015 às 11:44

Acodem para a vida!
Imagem de perfil

De Vasco a 09.01.2015 às 14:31

De acordo!
Sem imagem de perfil

De EU! a 09.01.2015 às 14:54

eu quero é que se lixem os franceses oh caraças... mas que mediatismo manhoso é este? ACORDEM . ISto é pensado e propositado. então não é que eles estavam presos em cuba, e os EUA já são "amigos" de cuba, e eles foram soltos? Estados islamicos? olhem bem para os "estados" europeus e americanos... venha o diabo e escolha... CAMBADA ACORDEM!!! O PETROLEO NEGOCIEIA EM petro-DOLARES!!!
Sem imagem de perfil

De Francisco Vasconcelos a 09.01.2015 às 16:04

Ser Charlie quer dizer o quê?
Se quer dizer ficar a assistir à destruição da civilização ocidental gritando "Somos Livres" e "Somos Democratas", então não estou de acordo.
Temos que enfrentar o problema, que é, simplesmemte:
- Ou nos deixamos soçobrar perante a violência, chorando como carpideiras, manifestando-nos em silêncio à espera que a extrema direita tome as rédeas do poder e destrua a democracia e a liberdade,
- Ou tomamos a iniciativa de excluir os terroristas da nossa sociedade antes que a extrema direita SEJA MANDATADA PELO POVO para resolver o problema.
Soluções cândidas não há.
Soluções de bem pensantes e politicamente corretos também não.
Temos que pegar o touro pelos cornos de uma vez por todas.
COMO JÁ DISSE, ANTES QUE A EXTREMA DIREITA O FAÇA.
Sem imagem de perfil

De Filipe a 10.01.2015 às 15:20

Expulsam-se todos os que andam a fazer mal a esta Europa: os europeus.
Sem imagem de perfil

De Francisco Vasconcellos a 11.01.2015 às 17:09

Você está a brincar com um assunto que é muito sério.
Os que, como você, estão a fazer a cama da extrema direita, depois não se queixem quando ela vier.
Aí já não poderão fazer comentários jocosos pois a livre opinião será destruida.
Quem me avisa...
Imagem de perfil

De Manuel Joaquim Sousa a 11.01.2015 às 23:52

Sim, terá de existir uma solução bem pensada, antes que a extrema direita chegue ao poder para fazer coisas bem piores.
Sem imagem de perfil

De aeroflot a 09.01.2015 às 16:13

No tempo da inquisição e das cruzadas não havia mass media para dizerem tanta estupidez seguida e em directo. Há, isso foi lá no passado, dizem uns acéfalos. Será? Estes novos cruzados têm tanto ou mais direito de fazer o que estão a fazer. É incrível a hipocrisia em torno destas situações, principalmente pelos ditos cristãos ocidentais. Contra factos não há argumentos, infelizmente.
As milhares de vítimas da inquisição (por cá morreram pelo menos cerca de 4000 pessoas em duas semanas no tempo do rei D.Manuel) e das cruzadas organizadas pelos cristãos foram bem mais horrendas e sem que ninguém se pudesse defender. Só não havia era "lives" e CNNs. Foi noutro tempo, mas foi no planeta Terra e foram humanos que fizeram mal a outros humanos, apenas não havia jornalistas estúpidos a fazerem-se de paladinos do bem e da verdade (mentiras pagas pelos ocidentais neo-nazis que estão há séculos a manipular toda a humanidade). Por que é que não fazem caricaturas permanentes de Jesus Cristo? Ou do Papa? E por aí fora? Será que iriam dizer que são Charlies? Não, não. Hipócritas. Matar não é solução. Gozar também não. Os primeiros a pisar o risco foram os cristãos. Agora levam com a vingança. Azar e paciência. E não sou a favor de ninguém, pois essa é a melhor via para ser humano!
Sem imagem de perfil

De Inês a 10.01.2015 às 14:28

Não havia Inquisição no tempo de D. Manuel.
Sem imagem de perfil

De ana franco a 09.01.2015 às 17:04

Boa tarde,

Gostaria apenas que me elucidassem para o seguinte:

O que querem dizer com "Je suis Charlie"?

Será algo do tipo, depois de se saber que abateram um preto, devemos todos dizer "Eu sou preto"?
ou
se um gay foi marginalizado, devemos dizer "Eu sou gay"?

Agradeço qualquer esclarecimento sobre o assunto.
Imagem de perfil

De Manuel Joaquim Sousa a 11.01.2015 às 23:46

Olá,

Eu tento explicar a significado à minha maneira, através do artigo:
http://bloguedomanel.blogs.sapo.pt/porque-je-suis-charlie-116113
Sem imagem de perfil

De Andre L. a 10.01.2015 às 01:40

Não poderia estar mais de acordo. Adiciono o tema intrínseco, a simbologia o País da Liberté atacado por dentro, o momento tensão com as comunidades, as "ameaças" da extrema direita francesa, entre outros. Não há remédios para tantos males, e como já previa os Muçulmanos já estão a sofrer na pele a segregação, motivado pelo credo que é usado indevidamente pelos ditos criminosos (Terroristas). Da onda de acontecimentos estou mesmo a ver os EUA unirem-se a França e quiçá Europa para mais partilha de informação, afinal um dos terroristas já estava assinalado e bem! Estou em crer que vai haver uma caça aos terroristas e pessoas ligadas aos movimentos. Isto está muito longe de ter acabado, infelizmente. Estou muito apreensivo com França, neste momento "o centro do furacão".
Imagem de perfil

De Manuel Joaquim Sousa a 11.01.2015 às 23:50

Concordo consigo. Isto ainda agora parece ter começado. Espero que não haja a caça aos muçulmanos. Não podemos generalizar o que foi cometido por uns loucos, que hoje usam a religião, mas amanhã utilizam algo diferente.
Sem imagem de perfil

De joao vilaça a 10.01.2015 às 15:07

NAO SOU CHARLLIE.CONDENO O TERRORISMO VENHA DE ONDE VIER. O QUE FIZERAM EM PARIS FOI UM ATO INSANO, CRUEL E INTOLERAVEL.A MORTE DO TERRORISTAS FOI A PENA MAIS CORRETA.BANDIDO SÓ É BOM DEBAIXO DA TERRA OU CREMADO. MAS TEMOS DE OBSERVAR OS DESENHOS E IMPOR LIMITES A QUEM OS FAZEM.EM NOME DA LIBERDADE NAO PODEMOS ACEITAR A V IOLENCIA CONTRA AS RELIGIÕES E CONTRA DIGNIDADE HUMANA. DESRRESPEITO ÁS NOSSAAS CRENÇAS, TAMBM É UM ATO DE VIOLENCIA.CRITICAR É UM ATO DE LIBERDADE, OFENDER NÃO. NÃO PODEMOS ACEITAR ATOS DE VIOLENCIA SÓ PORQUE, QUEM OS PRATICA É ATEU OU AGNOSTICO.É HORA DE REPENSAR AS ATITUDES DE CADA UM.
Sem imagem de perfil

De Francisco Vasconcellos a 11.01.2015 às 17:28

A resposta está no HINO DA LIBERDADE - A MARSALHESA:

Aux armes, citoyens,
Formez vos bataillons,
Marchons, marchons!
Qu'un sang impur
Abreuve nos sillons!

JÁ AGORA AQUI VAI O RESTO DO HINO:
(Já agora leiam o hino da liberdade até ao fim!!!)

Allons enfants de la Patrie,
Le jour de gloire est arrivé!
Contre nous de la tyrannie,
L'étendard sanglant est levé, (bis)
Entendez-vous dans les campagnes
Mugir ces féroces soldats?
Ils viennent jusque dans vos bras
Égorger vos fils, vos compagnes!

Que veut cette horde d'esclaves,
De traîtres, de rois conjurés?
Pour qui ces ignobles entraves,
Ces fers dès longtemps préparés? (bis)
Français, pour nous, ah! quel outrage
Quels transports il doit exciter!
C'est nous qu'on ose méditer
De rendre à l'antique esclavage!

Quoi! des cohortes étrangères
Feraient la loi dans nos foyers!
Quoi! ces phalanges mercenaires
Terrasseraient nos fiers guerriers! (bis)
Grand Dieu! par des mains enchaînées
Nos fronts sous le joug se ploieraient
De vils despotes deviendraient
Les maîtres de nos destinées!

Tremblez, tyrans et vous perfides
L'opprobre de tous les partis,
Tremblez! vos projets parricides
Vont enfin recevoir leurs prix ! (bis)
Tout est soldat pour vous combattre,
S'ils tombent, nos jeunes héros,
La terre en produit de nouveaux,
Contre vous tout prêts à se battre !

Français, en guerriers magnanimes,
Portez ou retenez vos coups!
Épargnez ces tristes victimes,
À regret s'armant contre nous. (bis)
Mais ces despotes sanguinaires,
Mais ces complices de Bouillé,
Tous ces tigres qui, sans pitié,
Déchirent le sein de leur mère !

Amour sacré de la Patrie,
Conduis, soutiens nos bras vengeurs
Liberté, Liberté chérie,
Combats avec tes défenseurs ! (bis)
Sous nos drapeaux que la victoire
Accoure à tes mâles accents,
Que tes ennemis expirants
Voient ton triomphe et notre gloire !

(Couplet des enfants)
Nous entrerons dans la carrière,
Quand nos aînés n'y seront plus,
Nous y trouverons leur poussière
Et la trace de leurs vertus (bis)
Bien moins jaloux de leur survivre
Que de partager leur cercueil,
Nous aurons le sublime orgueil
De les venger ou de les suivre.


Sem imagem de perfil

De Filipe a 10.01.2015 às 15:18

Eu não sou Charlie. Na realidade sou da opinião que isto nunca teria acontecido se a França fizesse o que lhe competia e encerrasse aquela libertinagem que se faz passar por liberdade de expressão.

Que os atentados são condenáveis, sem dúvida nenhuma!, mas a verdade é se três ou quatro muçulmanos fizeram o que fizeram, 4.999.996 não fizeram nada e estão a levar de uma vez com anos de racismo e xenófobia acumulados por parte da sociedade que tanto se diz igual que é a francesa.

Marginalizam, em França, uma religião inteira e não esperam que ninguém se revolte? Dizem-se livres e iguais mas proíbem o uso de burkas na escolas (apenas uma forma de liberdade de expressão se quisermos ser tão radicais quanto eram os deste jornal).

E o pior de tudo: as pessoas retiram a ideia errada do que se passou! Culpam os muçulmanos (grande maioria que apenas quer viver em paz, pois era isso que esperavam na Europa) e é-lhes atirada "mérde" e xenofobia disfarçada de liberdade. Quantos atentados existem na Suécia, por exemplo, que tem aceitado facilmente os muçulmanos que lá vivem? Será que os muçulmanos não se gostam de matar no frio ou será que essa sociedade soube inseri-los decentemente?

Finalmente gostava que as pessoas refletissem em que ponto é que começa a falta de respeito e acaba a liberdade, porque se não acaba, podem pensar já quais são as consequências disso, seus filhos da ****.
Sem imagem de perfil

De André l a 12.01.2015 às 10:46

Li aqui um comentario DA maior estupidez ja.vista. Sra Ana Que animal Que tu és......

Comentar post




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa




Tags

mais tags